Porquê pensar as cidades?

As cidades são um tema quente atualmente, é nas cidades que muita inovação ocorre, são as cidades que têm de lidar com inúmeros problemas, são as cidades que, de forma inteligente, procuram encontrar soluções para se manterem sustentáveis, saudáveis e prósperas. Vivemos um período ímpar na história com uma migração mundial em massa em direção às cidades. Para uns é um sinal positivo, para outros uma dor de cabeça. As cidades inteligentes sabem o que querem e o que precisam. Contornar as mensagens de facilidade e de prosperidade simplista devem ser temas incontornáveis na cidade. Comunicar de forma honesta e transparente o que se é na verdade, é uma das formas mais sinceras de se ligar aos cidadãos. E estes se ligarem com a cidade. Compreendendo-a. Aceitando-a. Ajudando-a. É com esta consciência que o ZOOM SMART CITIES nasce. Um Congresso Internacional, que decorre nos dias 18 e 19 de maio,

“INTERNET+” É PEÇA CHAVE NA ESTRATÉGIA CHINESA

No próximo dia 19 de Maio, Xiaojing Huang vai estar em Lisboa para participar na conferência internacional ZOOM Smart Cities. A directora estratégica do Yang Design e fundadora doDesign Strategy Institution vai, entre outras coisas, contar a Portugal como o conceito smart cities está a ser implementado na China. Em jeito de aperitivo para a sua apresentação, a especialista revelou à Smart Cities algumas das tendências no país para este ano nesta matéria. Entre estas, Xiaojing Huang destaca o forte desenvolvimento da Internet na China, que “tem excedido de longe o de qualquer outra indústria”. Utilizar a Internet faz actualmente parte do quotidiano dos chineses, o que tem obrigado o governo de Pequim a encontrar soluções inovadoras que dêem resposta às necessidades crescentes dos seus cidadãos nessa matéria. “O governo chinês tem estado a trabalhar na optimização do nível dos serviços dentro do conceito de cidade inteligente, melhorando a transparência